pixel
pixel
pixel
cadastro | dúvidas | fale conosco | links | mapa do site  
pixel
pixel
Busca:
pixel
pixel
pixel
pixel

Áreas Temáticas

Resultados do Procel

Selo Procel Edificações

Pesquisa de Posse e Hábitos

Potencial de EE para Indústria

Eficiência nas escolas

Aquecimento solar de água

Dicas
  Você está em: Procel Info »  Notícias e Reportagens »  Notícias
Notícias
voltar

14.07.14
|
Prédios projetados em meados do século XX garantiam economia de energia
Fonte: AEC Web - 11.07.2014
Brasil - No ranking mundial do Green Building Council (GBC), entidade que concede a certificação LEED, o mais conhecido selo de sustentabilidade, o Brasil está em terceiro lugar com 855 prédios registrados e outros 165 já certificados. O franco-brasileiro Aqua-HQE já certificou outras 297 construções. Mas, há ainda mais sustentabilidade nos prédios brasileiros. E não somente nos construídos agora.

Num dos períodos mais marcantes da nossa arquitetura - o modernismo - elementos como cobogós e brises-soleils, novamente em voga na arquitetura nacional, já eram adotados em nome da sustentabilidade. Ainda que, na época, esse conceito não fosse sequer conhecido. Para melhorar a ventilação do edifício e permitir um maior controle da entrada de luz e calor, esses elementos eram usados com o objetivo de economizar, justamente um dos pilares da sustentabilidade. Mas tratava-se de economia financeira. Não energética.

- Nas décadas de 1920 e 1930, EUA e Europa estavam com suas economias combalidas, e o custo da energia já era uma grande preocupação. Então, arquitetos como Alvar Aalto e Le Corbusier já tinham a preocupação de fazer uma arquitetura que levasse à economia - lembra o arquiteto Ruy Rezende, um especialista em obras sustentáveis.

A escola corbusiana de modernismo, aliás, é justamente a que mais aparece nas obras do estilo no Brasil, com seus pilotis e terraços-jardim que, além de ajudarem a diminuir a temperatura do prédio, servem, de certa forma, para arejar a cidade. Isso porque criam grandes áreas de circulação e permitem certa interação com a natureza. Além disso, o uso dos pilotis diminui a área de terreno impermeabilizada, aumentando o escoamento da água e reduzindo até o risco das enchentes, tão comuns no Rio.

- Havia também uma vertente social, uma preocupação com o bem-estar humano - lembra Rezende.

Um dos exemplos residenciais mais expressivos é o Parque Guinle, em Laranjeiras, com os prédios projetados por Lúcio Costa. Ali, os cobogós da fachada criam uma moldura para a janela, servindo ainda como um elemento estético. Seus panos de vidro, outra característica marcante do modernismo, entretanto, não podem ser inseridos no rol de elementos sustentáveis para a época: é que naquele meados do século XX ainda não havia a tecnologia que hoje permite que o material filtre o calor, deixando passar apenas a luz.

Mas, enfatiza o arquiteto e doutor em urbanismo Carlos Fernando Andrade, os vidros nos prédios Guinle estão a favor da economia já que permitem a entrada de iluminação natural numa área de circulação, as escadas.

- Se os vidros fossem usados num espaço de permanência, o interior viraria uma estufa - diz Andrade, apontando uma das características do modernismo que vai contra a sustentabilidade.

Mas, se isoladamente os edifícios modernistas já tinham um quê de sustentáveis, as cidades pensadas pelo movimento iam no sentido oposto. Brasília, projetada no momento de maior celebração do automóvel, é um exemplo claro do urbanismo feito para espraiar a cidade, o oposto dos centros urbanos adensados desejáveis em tempos de sustentabilidade.

- O carro promove a dispersão. E havia um rodoviarismo que impediu o investimento no transporte coletivo - lembra Pedro da Luz, presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil, do Rio. - A questão mais importante está centrada na cidade e não no edifício. A gente devia celebrar a densidade de Copacabana, em vez de continuar investindo em áreas sem infraestrutura.

Para Pedro da Luz, embora a sustentabilidade seja um caminho sem volta, falta um posicionamento dos órgãos governamentais em relação ao crescimento das cidades:

- Áreas centrais que muitas vezes guardam pedaços importantes de nossa história, como os centros do Rio e de São Luiz, no Maranhão, passaram por um processo de abandono que afastou a população desses locais. A melhor cidade é a que tem misto de usos em todos os bairros.

Varandas no modernismo à brasileira

O arquiteto Carlos Fernando Andrade lembra que o urbanismo modernista, de certa forma, previa esse mix ao introduzir elementos como as unidades de vizinhança, áreas que cresceriam a partir de um ponto central, com escola e serviços e seriam ligadas por estradas, substituindo a rua-corredor, ladeada por edifícios:

- Um modelo americano, que permitiria localizar os prédios nos locais mais adequados do terreno, levando em consideração a incidência solar, os ventos. O problema é que aqui esse urbanismo não foi bem reproduzido. Na Barra, por exemplo, essas unidades viraram condomínios privados deixando de lado a densidade pensada para a região.

Já a preocupação com implantação dos prédios nos terrenos, respeitando a incidência do Sol, ventos e iluminação é outra característica marcante do modernismo que hoje é tida como essencial para se considerar qualquer empreendimento sustentável. Esse estudo deve ser o primeiro a ser feito para que o prédio possa tirar o melhor proveito de todas as tecnologias utilizadas hoje para economizar energia e água. E essas, sim, foram bem aproveitadas no Brasil naquele momento.

- São tendências que tornam eficiente o uso da energia e que aqui foram bem aproveitadas, sem deixar, contudo, de incorporar nossos padrões. As varandas, previstas na arquitetura colonial para evitar o aquecimento das paredes, por exemplo, foram bem incorporados. O Niemeyer fez um ótimo uso delas nos palácios da Alvorada e do Planalto, em Brasília - avalia Eduardo Nardelli, presidente da Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura (AsBea).

O arquiteto, um dos ícones maiores do modernismo brasileiro, e carioca, é muitas vezes criticado por privilegiar a beleza em detrimento da função e pelo uso excessivo do concreto. Mas, para Nardelli, quando a cidade é bem pensada, o material escolhido faz pouca diferença.

- O concreto não é um problema maior que a estrutura metálica. Quando a cidade é construída sem cuidados, se torna insuportável.

Esta notícia não é de autoria do Procel Info, sendo assim, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do veículo original, exceto no caso de notícias que tenham necessidade de transcrição ou tradução, visto que se trata de uma versão resumida pelo Procel Info. Para acessar a notícia em seu veículo original, clique aqui.
  
Veja aqui a lista completa
Imagem para contabilização de acessos a páginas
Envie a um amigo
Imprimir
pixel
Imagem para contabilização de acessos a páginas