pixel
pixel
pixel
cadastro | dúvidas | fale conosco | links | mapa do site  
pixel
pixel
Busca:
pixel
pixel
pixel
pixel

Áreas Temáticas

Resultados do Procel

Selo Procel Edificações

Pesquisa de Posse e Hábitos

Potencial de EE para Indústria

Eficiência nas escolas

Aquecimento solar de água

Dicas
  Você está em: Procel Info »  Notícias e Reportagens »  Reportagens
Reportagens
voltar

Assunto: Revista O Setor Elétrico - Setembro 2019
19.11.19
|
Eficiência e eficácia de luminárias públicas – A questão do lm/W inicial
São Paulo – Em artigo, Luciano Rosito trata do tema da seleção de equipamentos para a iluminação pública com tecnologia LED

São Paulo - Dando sequência nesta série de artigos sobre o tema iluminação, iremos tratar da polêmica questão da eficácia de luminárias públicas que nos últimos anos vem sendo muito utilizada como principal critério de seleção de luminárias públicas em projetos, assim como está sendo a principal especificação técnica em editais para execução de obras e compra direta de equipamentos de iluminação pública com tecnologia LED.

A eficácia das luminárias públicas é definida pela quantidade total de luz emitida, expressa em lumens (lm) pela potência elétrica expressa em Watts (W). Teoricamente, quanto maior o lm/W, melhor seria a luminária e mais eficiente. Esta conclusão não somente é teórica, como é bastante perigoso avaliar somente este parâmetro. Frequentemente, o lm/W é visto como um índice qualitativo quando, na verdade, é a junção de dois parâmetros quantitativos em termos de quantidade de luz e potência. O que tem ocorrido é que para obter um maior lm/W, os equipamentos acabam se tornando mais simplificados em termos de tipos de LED, ópticas (lentes), equipamentos auxiliares e, consequentemente, fotometria, bem como demais componentes e acessórios para compensar a aplicação de técnicas utilizadas para obter uma eficácia inicial mais alta. Outro ponto é que esta é a eficácia inicial e o que deveria estar sendo avaliado é a eficácia ao longo da vida, até o final da vida declarada e avaliada, buscando uma taxa de falhas mais baixa possível. Este taxa de falha e os critérios de avaliação das falhas raramente são citados em termos de referência para projetos e em editais de aquisição luminárias.

O que realmente importa em uma especificação técnica? Em termos de eficácia, além do lm/W, devemos avaliar a distribuição fotométrica, índices máximos de ofuscamento e o atendimento dos índices luminotécnicos para cada projeto em termos de iluminância, luminância e suas respectivas uniformidades.


Clique no link abaixo e leia a reportagem na íntegra
Revista O Setor Elétrico Setembro 2019.pdf
Imagem para contabilização de acessos a páginas
Envie a um amigo
Imprimir
pixel
Imagem para contabilização de acessos a páginas